quinta-feira, 31 de julho de 2008

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Sem Título
(Ana Paula Melo - escrito em 18/11/2004)

Em certos instantes, em meio a vida corrida,
Deparamo-nos com certas feridas,
Esculpidas em nossas lembranças
Que nem o tempo consegue desfazê-las
Mas apesar de tudo o que se foi,
De tudo o que se fez
Ainda restaram saudades,
Daqueles poucos momentos felizes
E na soma entre o bem e o mal
A dor da saudade é maior
Que as dores das feridas não cicatrizadas.
Procura de mim mesma
(Ana Paula Melo - escrito em 26/08/2004)

Há algo além das coisas que posso sentir,
Além das coisas que posso ouvir
Além das coisas que posso ver,
Mas que não consigo expressar.

É esse vazio, esse pesar, essa angústia,
Que tenho e que me leva a realizar as coisas que não quero fazer
Que sempre acabo me arrependendo,
Dilacerando-me aos poucos.

É essa procura não sei bem do que, nem de quem
Apenas sei que devo continuar procurando
Até chegado o momento de encontrá-lo
E quem sabe, sentir-me livre outra vez.


Outro lugar
(Milton Nascimento)

Cê sabe que as canções são todas feitas pra você
E vivo porque acredito nesse nosso doido amor
Não vê que tá errado, tá errado me querer quando convém
E se eu não tô enganado acho que você me ama também

O dia amanheceu chovendo e a saudade me contêm
O céu já tá estrelado e tá cansado de zelar pelo meu bem
Vem logo que esse trem já tá na hora, tá na hora de partir
E eu já tô molhado, tô molhado de esperar você aqui

Amor eu gosto tanto, eu amo, amo tanto o seu olhar
Andei por esse mundo louco, doido, solto com sede de amar
Igual a um beija-flor, que beija-flor,
De flor em flor eu quis beijar
Por isso não demora que a história passa e pode me levar

E eu não quero ir, não posso ir pra lado algum
Enquanto não voltar
Não quero que isso aqui dentro de mim
Vá embora e tome outro lugar
Talvez a vida mude e nossa estrada pode se cruzar
Amor, meu grande amor, estou sentindo
Que está chegando a hora de dormir.

terça-feira, 29 de julho de 2008